31 Arranjos Produtivos Locais e a reprodução do modelo excludente de desenvolvimento no Brasil

Este resumen tiene acceso abierto
Resumen

Num ambiente pautado pela lógica de mercados globais, decisões nacionais de países emergentes são transferidas para empresas transnacionais, agências multilaterais e investidores. Em articulação com os Estados nacionais, predomina uma atuação em favor desses mercados. Estratégias de desenvolvimento enfatizam a inserção competitiva de países em detrimento de opções autônomas de superação das assimetrias radicalizadas pela globalização. Esse é o contexto em que o artigo aborda a alternativa de desenvolvimento local, notadamente a experiência brasileira em Arranjos Produtivos Locais (APL), cuja proposição como política pública é analisada a partir de seus formuladores. APL são agrupamentos de empresas que atuam numa atividade principal comum, dentro de um mesmo território e buscam contribuir diretamente para o crescimento e desenvolvimento econômico e social das regiões. Empresas que o compõem compartilham iniciativas e interagem, mantendo a competição no negócio final. Propostos como alternativa de resgate do espaço local por meio da ação integrada entre governos, iniciativa privada e organizações da sociedade civil visando a um desenvolvimento inclusivo, estão incluídos em planos de governo, com destaque para apoio técnico e financeiro, capacitação de gestores, acesso a mercados, desenvolvimento tecnológico, competitividade e sustentabilidade. Preconizam a promoção de um ambiente de inclusão, elevação do capital social, democratização do acesso aos bens públicos, preservação do meio ambiente, valorização do patrimônio histórico e cultural, protagonismo local e integração com outros atores. Porém, pesquisa de doutorado, na qual este artigo se baseia, identificou que em suas ações no estado do Rio de Janeiro limitam-se a reproduzir o modo predominante de competição, uma vez que aspectos socioambientais são desconsiderados em favor de resultados econômicos privados. Essa prática evidencia o papel subordinado que governos e agências de fomento desempenham em nome da lucratividade. Trata-se, portanto, de uma política pública que apoia uma competitividade excludente e subordinada dos APL, quando para ser coerente com os pressupostos sua prática deveria ser orientada para o estímulo de outros modos de desenvolvimento construídos de modo plural a partir do local. Se considerarmos que o investimento de recursos públicos e o financiamento subsidiado às empresas dos APL e outras iniciativas de apoio público são essenciais para o desenvolvimento, romper com a subordinação direta ao mercado é condição relevante para uma atuação efetivamente pública. Há espaço para isso, uma vez que instâncias que formulam e coordenam as políticas públicas de APL são predominantemente compostas por ministérios e instituições públicas. Para tanto, torna-se necessário ir além das formulações que não criam mecanismos que garantam esse protagonismo, mas apenas induzem o consentimento em favor da reprodução do modelo de capitalismo global neoliberal no espaço local.

ID del abstract:
GIGAPP20177424
Tipo de abstract
ENVIO DOCUMENTO
Tópico del abstract
2017-31 Gestion pública, planificacion y participacion social

Co-Autores

Comments

#GIGAPP2017

Sesiones Plenarias y Especiales                             Grupos de Trabajo

gobernandoelfuturo2